Quem sou eu?

Minha foto
Descubra-me depois que adentrar na minha poética.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

FLOR DE MANDACARU

Como repentista, aceitei o seu desafio e fiz poesia brotar. 
A Alisson Arruda, meu desafiador.


Em um dia de Março, invernada, o mandacaru floriu. E no meio de braços e espinhos e um sol de rachar, nasci, feito flor de mandacaru.
Aprendi cedo a ser piaba dentro dos açudes e a reconhecer o cheiro da terra molhada que faz a jurema ser fênix. Renascida das cinzas, ela me ensinou a ter força. Muita!
O céu azul de dias quentes, banhado de nuvens brancas e enormes, dava lugar a um manto de estrelas cintilantes, à noite. Meus dentes brilhavam em um sorriso quando o céu estava assim.
E diante de uma fogueira, festejando São João e seus sabores, nutriam-me de poesia, fogos, beleza e gostosuras do Sertão.
Em noite de lua, bolandeira, portal para mundos que minha mente fértil de criança criava.
As serras ao longe arrodeavam-me, eram a grande muralha do castelo onde eu, lagartixa espichada ao sol, desejava explorar.
O Sertão "brabo"  - como dizemos aqui - me fez jurema, me fez flor. 
Do mandacaru herdei, também, os espinhos e da jurema, o verde que se disfarça de cinza, protegendo-se. Camaleão, camaleoa.
Corre nas minhas veias a água caudalosa dos rios perenes, que às vezes, em estiagem, se acalma.
O cheiro do estrume... As vacas e bois e cabras e bodes e galinhas, vêm do sítio, das panelas, da minha infância. Sabores e perfumes inconfundíveis... a carne de sol, a manteiga, o queijo. A manga, o caju, o cajá, a castanha, a seriguela, doces muitos, cocadas de vovó, goiaba e goiabada, peixe frito, leite de coco, limão, sal e cachaça... Humm! Costelinha de porco...
Tudo misturou-se em mim!
A música cantada por mamãe e tocada por papai... A confraternização em (grande) família... Virei festa, forró, ritmos. 
O homem bruto do Sertão de Caicó me viu mulher e me aceitou e "buliu" comigo... E casou.
Fui feliz no Sertão! Sou feliz no Sertão!
Aqui brotam grandes amizades, realizações difíceis como a terra, como o tempo. Mas resistentes como a imburana, como as pedras e os serrotes.
Rica de minérios, esta terra me energiza.
Na pele sou turmalina, bauxita, scheelita... 
No coração, Caicó, Cruzeta, Currais... 
Na alma, sou gado, vaqueiro, fé, sou Sant'Ana. Sou Seridó, Gargalheiras, Itans e Boqueirão. Sou galinha caipira e macaxeira. Sou cordel e poesia.
O Sertão ensinou-me e eu tornei-me professora. Passei a não ser mais eu, a ser muitos e a me dividir. E como o Sertão, virei parte de muita gente. "Sertão - Casa grande".
Eu, Sertão, Seridó, o mundo. Ensinamentos de Rosa, Bezerra e Zila.
Paisagens que me compuseram, que me identificaram, que me admiraram e acolheram, como flor de mandacaru, que vejo brotar nas estradas nas quais transito a vida toda, protegidas por cercas de pedra - herança de Holanda.
O Sertão habita em mim. Percebes? 
E fez-me o que sou: mulher, forte, sertaneja, Seridó, Sertão.

Bia Crispim

6 comentários:

  1. Eu jamais deixaria de prestigiá-la aqui, até pq não é nenhum sacrifício, e sim prazer fazê-lo!!
    Você é uma amiga do coração, furona, mas que eu amo muito! E como a todos os meus amigos desejo o melhor sempre!!!

    Lêr o que você escreve é como comer uma fruta deliciosa, e ter eternamente o sabor daquela fruta ou daquela comida que só a nossa mãe faz armazenada na memória, é ver você declamar com seu jeito singular e plural de ser, é ver a cena acontecer sem precisar estar presente no espetáculo, é sorrir e chorar com as palavras, é sentir todos os sentimentos de uma vez só!!! é ser feliz, é ser seu amigo, seu irmão, seu confidente!!

    Felicidades minha querida amiga!

    ResponderExcluir
  2. Ai, meu Deus... Como responder a tudo isso... Tornei-me muda e analfabeta agorinha mesmo... SEM PALAVRAS ..........................................................................................................................................................................................................................................................

    ResponderExcluir
  3. Bia despida e, pra nossa alegria, de volta ao torrão!

    ResponderExcluir
  4. Sou Terra... Terra de Sant'Ana... Lembra-se?

    ResponderExcluir
  5. O QUE ESPERA DE VOCE SE NAO ISSO TUDO LINDA FLOR DE MANDACARU !!!

    ResponderExcluir
  6. Os espinhos da jurema e do próprio mandacaru... KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK... Beijos, querida.

    ResponderExcluir