Quem sou eu?

Minha foto
Descubra-me depois que adentrar na minha poética.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

O CORPO

O corpo não fala mais
Calo-se
Quietou-se
Trancado numa crisálida
Inerte e sem pulso
Cataléptico
Hiberna.

Espera o ímpeto
O choque
A epifania
O estímulo de uma mão
De uma boca.
O pulso.

Não mais dialoga
Não mais se mexe
Não mais se atreve.

Sonha e dorme.
Abre o olho vez em quando
Apenas para odiar a luz.

E no breu íntimo
Da sua (in)cosciência
Ele respira sua própria paralisia
Estático.

Consumindo e consumido
De vazio
De paz
Espera no seu despertar
Borboletar-se.

Bia Crsipim

Nenhum comentário:

Postar um comentário