Quem sou eu?

Minha foto
Descubra-me depois que adentrar na minha poética.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

DOR DE AMOR

Eu tive um amor que doía
Não dor essa que a gente conhece
Dor desconhecida
Inexplicável
Inseparável de mim.

Doía tudo:
O coração
A cabeça
A alma
O corpo todo era dor
Porque amava
Amava tanto que doía.

Corroía por dentro
Entranhas e juízo ( se já o tive!)
Era dor pulsante
Dilacerante
Intempestiva e indomada

Sem controle, ela me rasgava
Me despedaçava
E eu gemia e sofria e morria
Até chorava! ( E rezava junto)
Dor de amor

Amor que dói
Que machuca
Que afunda

Cheguei ao fundo do poço da minha dor
Na fossa
E tive medo 
Além de dor

E sozinha, no escuro
Tomada de dor e amor e medo
Pensei:
Ainda bem que doeu em mim
Porque senão teria sido em outra pessoa!


Bia Crispim

Nenhum comentário:

Postar um comentário