Quem sou eu?

Minha foto
Descubra-me depois que adentrar na minha poética.

terça-feira, 2 de julho de 2013

REFEIÇÃO

Houve um tempo em que te quis inteiro.
Todo.
Apoteótico.
Feito Apolo cavalgando o Sol.
De corpo uníssono, para ser devorado de uma só vez.

Não senti o gosto nem o prazer que sonhara.
Teu sabor não foi tão bom
e tu ficaste preso na garganta
como espinha de peixe
ou angústia
ou choro de remorso.

Cuspi-te fora.
Apesar de a boca cheia d'água, 
sedenta de ti e voraz.

Aí veio o tempo em que te quis as partes.
Todas elas.
Uma de cada vez.
Petiscos para meu prazer.

Primeiro comi teu cheiro
e o olfato despertou-me a textura
e o sabor de tuas carnes.

Depois comi teus olhos
e eles me encheram de vida
e paixão
e delicadeza
e encanto.

Requintei,
sensibilizei meu paladar
e teu sabor me foi o melhor.

Em seguida comi tua boca
e nela veio teu sorriso
e tua língua
e teu hálito.

Entendi tuas palavras,
tuas ideias
e a fome que sentias de mim.

Descobri ali que tu também me querias
em teu nariz e olhos,
em tua boca e pele,
em teu coração.

Daí almocei-te 
(entrada, prato principal, sobremesa e um cafezinho para um cigarro.)

E por último deixei-me virar ceia.

À noite, tarde, toda.
Por partes,
aos bocados,
em pedacinhos.

Até que nos consumimos
e viramos sol.

Só no amanhecer.

Bia Crispim

Nenhum comentário:

Postar um comentário