Quem sou eu?

Minha foto
Descubra-me depois que adentrar na minha poética.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

GELO

Chamaram-me iceberg.
Uma ponta surgiu na superfície.
Houve naufrágio.
Não há sobreviventes.

Bia Crispim

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

NEGUE

Negue teu ciúme
Negue teu desejo
Negue teu sexo
Negue tua libido
Negue teu olhar
Negue teu carinho
Negue tuas palavras
Negue teus sonhos
E depois prostre-se
Diante de um espelho
E conheça um
Imaturo tolo
E grandessíssimo
Mentiroso!

Bia Crispim

RECEPÇÃO

E o abraço
acompanhado de
"Meu amor,
você voltou pra mim!"
E com ele, também,
um sorriso
beijos no rosto na boca
no pescoço no ombro
no corpo...

E assim me senti tua

Aninhada em
teus braços,
mimada e amada,
encontrei-me
protegida
e cheia de vida...
Brinquedo
que o menino
mais quer

Ninho onde desejo sempre estar.

Bia Crispim

ERA PRA SER

Quando teu desejo
Pulsa dentro de um outro alguém
Meu peito se dilacera
Se punge de dor que dói além

Daquela que um ser que ama
Não poderia merecer

Num coração apaixonado
Devia Deus não permitir
Pra não causar dó
Amor assim poder existir

E só assim, o ser que ama
Pararia de sofrer

Desse jeito
Era pra ser.

Bia Crispim

REDOMA

Como Rosa do Príncipe
Tentei pequeno proteger-te
Uma fábula de amor único
Em que numa redoma
Nada te atingiria.

Desejo de pertença
De posse: és meu, és meu, és meu...
E vendo-te arrancado
Subtraído de mim
Repentinamente, choro.

Queria que nenhuma dor
O afingisse
Nenhum mal o alcançasse 
Que nem a experiência
Dos ventos gelos noturnos
Nem do sol calor, pétala rasgasse.

Seria justo tirar a vida de ti?
E a sensação de sentires
O calor de outra mão?
E impedir que teus espinhos 
Machucassem tanto
Quanto a mim?

E teu perfume?
E tua beleza?
Por que deveras sempre
E unicamente
Tinham que a mim pertencer?

Queria-te dona e serva
Contato constante
Pseudo-domado
Airoso e deslumbrante
Enchendo meus olhos de luz.

Bia Crispim

domingo, 21 de setembro de 2014

AMO-TE NO AGORA

Amo-te
Num tempo presente
Simples
Contido, imenso
E sufocador
Como toda dor
Que o amor traz

Amo-te
Com forças descomunais
Viscerais
Dores no abdômen
No ventre
No coração
Na glote

Amo-te
Asmaticamente
Sem ar
Sem forças
Forças destruidoras
Titânicas

Abismo-me em mim
No que me consome:
AMOR


Bia Crispim

ANJOS GOURMET

Anjos rodeiam-me
Cercam-me
Cheios de vida
E liberdade
Acendem-me chamas
E sonhos

Anjos que falam
Com seus olhos
Com seus movimentos
De asas
E seus corpos
Nus

Anjos jovens
Em brasa
Explosão de vitalidade
Que me faz mulher no cio
Menina

Anjos que me temperam
De pecado
Que fervem minha carne
Que fritam minha lógica
Recheiam-me de gozo
E servem-se de mim
Como prato principal

Bia Crispim

"TO BE OR NOT TO BE"

Lembrança ou presença
Ebulição
Frio e calor intensos
Explosão

Colisão
Coração
Contrição
Confusão

Verdade ou vontade
Quem sabe?!
Grande questão!

Bia Crispim

AMANTES

Julgo-me tão corajosa
Impetuosa
Atrevida

Mas diante de ti
Temerosa e cativa
Enclausuro-me
Calo-me
Frustro-me

Tu és tão meu
Certos momentos
Temo querer-te mais
E perder-te

Ponho-me num labirinto
De desespero
Diante de uma esfinge
Pronta a devorar-me

Eu! sem respostas
Sem estratégias
Sem a sagacidade
Da qual tanto me bajulo

Onde está minha coragem
Que mina diante de teus olhos?
Onde está meu impulso
Que se acua em tua presença?

Afugentados
Reprimidos
Uma outra vez liberados e contidos
Temem mostrar as garras

Garras assustam-te
E põem-te  longe (Aprendi!)
Garras não te prendem
Amedrontam-te (Fugi!)

Então paro
Banho-me de frescor
Perfumo-me
Faço-me mulher
Eclipso meus olhos
Esfumaçados de negro
E tento seduzi-lo com um olhar
E um sorriso

Acho que nos queremos
Sem arroubos ou fúria(?!)
Mas certos que nossas almas
Encaradas
Amam-se, desejam-se

E esperam a hora
De perdermos o juízo e o pudor
As regras e os medos
As culpas e os questionamentos
Para assim
Sermos simples amantes.



Bia Crispim

CONTRADIÇÕES

O que eu sinto
Minto
Tão revelador
Súbito amor

(Dor!)

O que sentes
Medo
Tão aterrador
Comprometedor

(Amor!)

Bia Crispim

SÓ (QUEM SABE?), SABE!

Só (quem sabe?) o que queima
Sabe
O que aperta e destroça e desoriente

Só (quem sabe?) o amor
Sabe
Da dor dilacerante que é estar perto

Só (quem sabe?) da distância
Sabe
O que a proximidade pode criar

Só (quem sabe?) do controle
Sabe
Do desejo de se atirar e ver o que dá

Sabe
Do repúdio e da atração
Do receio e do desejo
Do afastamento e da aproximação

E de mais solidão

Só 
Quem sabe?
Sabe!

Bia Crispim

SON(H)O DE LOBOS

Tuas ações são inconsequentes
Impulsivas
E reveladoras

Teus olhos não mentem
E tua boca, salivando
Expõe teu desejo

Teu corpo revela-se tentador
Tentando sempre seduzir-me
Provocar minha libido
Tão evidente

Tua voz hipnotiza-me
Quando suave, conduz-me  a ser serva
Quando suave, conduz-me a ser mulher
Enlouquecida para uivar
Junto com teu corpo
Irracionalmente
(Lobos no cio)

Tua atenção acompanha cuidadosamente
Minhas emoções
Ignoradas propositadamente
Para te fazeres de indiferente diante de todos

Teu sorriso
Contagia-me
Tua loucura
Enlouquece-me
Tua presença
Atordoa-me
Teu cheiro
Embebesse-me

E sabendo tudo isso
Faça-me brinquedo
E permito-te meu dono
Nesse sono, nesse sonho.


Bia Crispim

O AMOR NÃO CABE EM SI

A Djavan

Lava
Vulcão
Erupção e fúria
Crisálida
Pulsando
Rompendo asas
Botão
Pétalas abertas
Desabrochando(adas)
Fadas - 

O Amor

Em mim, não mais
A ti, sempre

Incabível
Incontável
Imprevisível

Em si
Impossível
Em mim
Rompendo fronteiras
Em ti
Ainda contenção

Razão?
Amor aprisionado...

Quem pode com a fúria?
Quem pode com as asas?
Quem pode com a primavera?

É tempo de aquecer
De voar
De encher
A vida de pétalas

Bia Crispim

FESTA

Era carnaval
E eu te protegia
Dos perigos
E das fantasias

De mãos dadas

Entre a multidão
Mascarada
Sorríamos

E nos olhávamos

Com ternura
Beijava-nos
Docemente

Era um sonho certamente

De tão bom demorei a acordar
E de olhos abertos
Já era São João

Quanto tempo passou

Tanto tempo durou
E o tempo confirmou
Que tudo era real

Ao meu lado dormias

Perto de mim respiravas
Teu hálito era o meu
E o sonho, quem sabe se ...?!

Não sei em que data

Se em novena de Maria
Se em Santo de outro dia
Ou era festa de romaria

Mas estavas em festa

No sorriso sonolento
Que me dava bom dia
E selava nossas almas


Bia Crispim

TÃO LONGE, TÃO PERTO

Eu e você
Tão eu
Tão você
Eu perto
Você longe
Perto eu mais perto
Perto você mais perto
Nós, longe
Eu e você
Tão, tanto, quase nada

Bia Crispim

NO SERTÃO, VERÃO

Sertão
matar
morrer
sal       gado      leite
    sol       deleite    pele(o)
  céu        azul       branco
sede      água      beber
virar 
virão
verão

Bia Crispim

A OUTRA PARTE

Uma parte de ti
Nem me nota
Nem me vê
Nem me toca

Uma parte de ti, ôca
Não me beija
Não tem boca

Uma parte de ti
Ignora-me
Da-me as costas
E provoca-me

A outra me abre os braços
Enche-me de olhares
Cria laços

A outra me embaraça
Beija-me e aperta-me
Aquece meu coração
Deixa-me em brasa

Cheia de graça

Bia Crispim

MEN, SURE

Imensurável
Incurável
Incalculável
Is it sure?
Sure, men
Men, sure.

Mesurável?
Impossível
Indomável
In 
Inner
Innermost.

Bia Crispim

REGISTROS

Deixo aqui registrado
Meu amor
Minha paixão
Minha loucura
Minha paranoia
Minha felicidade
Minha alucinação

Deixo aqui gravado
Meu sonho
Meu desejo
Minha dedicação
Meu desapontamento
Minha inquietação
Minha decepção

Deixo aqui impresso
O que tanto senti
O que tanto vivi
Que foi tão pouco pra ti

Deixo se saber
De tua indiferença
De teus impulsos
De teu ciúme
De tua loucura
Que me deixava perdida

Deixo expresso, aqui
Meus sentimentos escancarados
Teus sentimentos medrosos
Nossos momentos de amor
Tão raros

Bia Crispim

EM PEDAÇOS

Há várias formas
De perder alguém
E a pior delas
É quando
Na lembrança
Ele é um
Quadro de Picasso.

Bia Crispim

FASCÍNIO FELINO

Cismando em um gato

O gato pulou
Por cima da gata
E como acrobata
Ou ladrão
Tomou-lhe de
Um susto
O coração.

Bia Crispim

terça-feira, 16 de setembro de 2014

ANJO OU DEMÔNIO

"Anjo bom, anjo mau, anjos existem e são meus inimigos e são amigos meus..." CAZUZA

Nunca fui santa
Nem deusa,
Ninfa, quiça!

Não me encontrava em altares
Ou oratórios
Nem em florestas mágicas.

Nunca fui etérea,
Lânguida
Ou funéria.

Antes, exalava vida,
Fogo e alegria,
Sexo sem pudor.

Era anjo Barroco:
Curvas e volumes
De uma escultura Rococó.

Atrevida, intensa, 
Impulsiva e 
Paradoxal.

Em mim:
Bondade e maldade,
Derretimento e frieza.

Sem asas, nem auréola,
Sem roupas e 
Sem vergonha.

Anjo pros teus olhos,
Na tua boca
E coração.

Demônio em tua carne,
Em teus pensamentos,
Em cima de um colchão.

 Bia Crispim

CANIBAL

Comeria tua carne
Como bife suculento:
Lento.

Roeria teus ossos e 
Trituraria cartilagens.
Dentes ágeis.

Beberia teu sangue
Feito bebida quente - 
De repente.

Bia Crispim

SEGREDO

Preciso de um segredo
Tão meu
Tão teu
Que não saberíamos

Segredo que os olhos
Não denunciam
Segredo silêncio
Que as palavras 
Só são sopradas
Leves
E passageiras
Pra não deixar pistas do vendaval
Segredo lento
Segredo de sorriso dentro
Segredo de felicidade momentânea

Preciso de um segredo
Que não seja
Jamais "de liquidificador"
Antes de incubadora
De ovo
De crisálida
De útero

Amamo-nos
Secretamente
Segredo tão meu
Segredo tão teu
Que nem saberíamos 

Bia Crispim
 

CASA NOVA

Quando todas as portas se abrem,
Eu sinto a necessidade de ser tua,
De chamar-te para dentro
E convidá-lo a jantar.

Quero-te cantando meus ouvidos
E deliciando minha alma com teu tom.

Quando as janelas todas se abrem
E o vento invade minha vida
Sacudindo-me com minha realidade -
Sonho...

Quero-te tocando minha pele,
Sem medo de cavalgar meu corpo.

Quando os armários se abrem todos,
Sinto o cheiro do que guardamos
Ou compartilhamos com os amigos:
Tão pouco (- Segredos!)

Quero-te sussurrando, beijando-me,
Olhando-me, desejando-me...
Fazendo-me estrela, aplaudida,
Ovacionada e plena...

EU

Realizando-te todo,
"Homenino", completamente derrotado
Aos meus pés...

Preparo-te a cama,
Deito-te ao meu regaço,
Cubro-te de carinho 
E nem estranharás, 
Se o teto que vês, ao acordar,
Seja outro, 
Pois estarei perto de ti, 
"Homenino",
Fazendo-te homem.

Sem medo do quando
Nem do que quero.

Quando tua nova casa nova
Te abrigar
E te encher de mimos
Cotidianos,

Quero ser, eu, aquela que,
Cheia de amores, te fará dono
Da casa que sempre foi tua:

Eu...
Eis a chave.


Bia Crispim

segunda-feira, 16 de junho de 2014

SEDUTOR

Pouco me fez
Pouco me deu
Muito me amou
De um jeito só teu
Quando o mundo
Éramos nós

Nós, amarras, grilhões
Abertos e sem carrasco
Mas, sólidos e aprisionadores
Como um canto
De marujo pirata sedutor

Bia Crispim

TU

Efêmera paixão que me faz rir.

Bia Crispim

FLAGRA

Ciúmes evidentes
Dis(fa(r)ces) aparentes
Diz frases incoerentes
E de repente
Tu te tornas transparente
Quando teus olhos
Pousam em mim
 Once-over*

Bia Crispim

*Virar a cabeça em direção a uma pessoa de interesse rapidamente e sorrateiramente (ou descaradamente, se você quer ser óbvio); observar alguém da cabeça até os pés, com olhos eclipsados. Basicamente, se pegar observando alguém que se acha atraente.