Quem sou eu?

Minha foto
Descubra-me depois que adentrar na minha poética.

terça-feira, 25 de março de 2014

PROCURA-SE

Procura-se por alguém
Que não seja perfeito
Pois seus defeitos devem ser encantadores

Procura-se alguém 
Que não seja belo
Pois sua beleza só será vista pelos meus olhos

Procura-se 

Um anjo sem asas ou auréola
Sem harpa nem cabelos louros de cachinhos

Mas que seja cheio de amor 

de tesão, de carinho 
e atenção

Procura-se 

Um sorriso que chegue até mim
Através de um olhar tenro e fixo e consolador

Procura-se alguém que me encha de mimos

Que me veja pequena e frágil
Que me tenha como se tudo

Procura-se um sedutor

Que me deixe apaixonada todos os dias
E que me faça mulher mesmo quando eu insisto em ser menina

Procura-se um amigo

Que não deixe de sê-lo
Porque me tem sua

Procura-se aquele

Que me tocará sem medo
E fará da minha presença sua festa.

Procura-se!




Bia Crispim

domingo, 9 de março de 2014

AMEI-TE NUM TEMPO PRETERITAMENTE PERFEITO

"Amei-te e por te amar
Só a ti eu não via...
Eras o céu e o mar,
Eras a noite e o dia...
Só quando te perdi
É que eu te conheci..."
Fernando Pessoa

Amei-te!
Como amei-te!
Silenciosamente, como uma brisa
ou um sussurro tênue.
Inaudível.

Amei-te carinhosamente
como um arrepio de pele
em noite de frio.
Uma leve intenção de toque...
Inatingível.

Amei-te docemente

como algodão-rosa-doce,
em fim-de-tarde, sobre a roda-gigante do parque,
derretendo suavemente na língua.
Indescritível.

Amei-te no torpor de um sonho;

num ímpeto de um desejo;
num impulso de uma vontade.

Amei-te imensamente.

Eloquentemente.
A ponto de sentir o amor crescer
como ânsia de explosões catastróficas.

Amei-te feito vulcão:

queimando por dentro.
Amei-te feito tufão:
desordenando tudo ao meu redor.
Amei-te como um grande terremoto:
tremor no corpo e medo e susto...
Amei-te tsunamicamente...

Devastei-me!


Amei-te num tempo pretérito,

preteritamente perfeito.
Para hoje tudo ser lembrança.
Para hoje, nada... Amara!
Passado, pretérito mais-que perfeito.


Bia Crispim