Quem sou eu?

Minha foto
Descubra-me depois que adentrar na minha poética.

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

QUANDO O AMOR ACABA

A Paulo Mendes Campos.


Numa aurora pós insônia
Num despertar ao teu lado
Num entardecer ainda quente
Num céu negro estrelado

Quando não te olho nos olhos
Ou não desvio os meus para vê-los
Num sorriso sem graça
Ou na beleza de mantê-lo 

Acaba num pranto amargo
Durante um sonho ou pesadelo
Num rompante de fúria
Brisa sobre os ombros, cabelo

Quando o telefone toca
Ou quando o silêncio impera
Quando a solidão desola
Verão, inverno, outono ou primavera

O amor acaba e fica um vazio
Um gosto de desgosto
Um assombro, um calafrio
Desbotamento e lágrima no rosto

Num momento qualquer
Não haverá mais nada
Pra (re)nascer... outra vez
É que o amor acaba.


Bia Crispim

Nenhum comentário:

Postar um comentário